O projeto do fotógrafo Anderson Morais registra momentos de afeto entre casais do DF, unindo criatividade e diversidade.

Com a proximidade do Dia dos Namorados, o fotógrafo Anderson Morais teve uma ideia inteligente e sagaz: Registrar o amor de diferentes casais em ensaios fotográficos seguros e criativos.

Após uma chamada pelas redes sociais, o fotógrafo ofereceu seus serviços de maneira diferenciada nesse período de pandemia. A ideia é registrar toda e qualquer forma de amor. O projeto está focado em clicar diferentes casais num ensaio que seja romântico e representativo. Obviamente, toda uma estratégia operacional precisou ser criada para que tanto ele quanto os modelos estejam em segurança. 

“Quando o cliente entra em contato, nós fazemos uma videochamada para que me mostre um cômodo de casa que mais gostem. Assim, tenho noção de como já posso fotografar sem enrolar muito. Já no momento das fotos, eu chego de máscara, uso álcool em gel e mantenho distância do casal.”

O fotógrafo também abre espaço para pessoas que queiram ser clicadas sozinhas, em momentos mais poéticos, mostrando através da foto crônicas cotidianas dos modelos.

Num de seus últimos ensaios, uma surpresa: a presença do casal de músicos Realleza e Henrique QI. O local escolhido foi a cidade do Sol Nascente. Em meio ao barro vermelho, os modelos optaram por um figurino branco para contrastar e revelar poeticamente como é a rotina de quem vive por lá. As fotos foram feitas nas ruas e são carregadas de significados.

“Viver na periferia é dialogar com o barro de outra maneira. Nós somos feitos de barro em vários sentidos… Religiosos, culturais, científicos.”, comentou Realleza.

Após anunciar o projeto em chamadas nas redes sociais, o burburinho começou e novos casais se interessaram em também terem uma sessão exclusiva. Anderson já divulgou algumas em seu Instagram e garante que não pensa em parar de clicar tão cedo.

Anderson Morais monta a agenda de sessões semanalmente. Basta entrar em contato com ele pelo Direct do Instagram @andersonmoraisph ou via WhatsApp (61) 98210-6582.