A bebida energética ‘Shark Energy Drink’, produzida pela empresa tailandesa Osotspa — há 120 anos no mercado com mais de um bilhão de consumidores em 80 países — com distribuição pela empresa Mac Trade LTDA., chega ao Brasil almejando ficar entre os três maiores campeões de vendas no segmento de bebidas energéticas no país através de seu grande diferencial.

Diferentemente de seus concorrentes, através dos aromas naturais vindos da junção da cafeína natural, utilizando grãos de café, com outros ingredientes o tornam frutado e mais refrescante. É o único 100% natural sem a adição de ingredientes que prejudicam a saúde do consumidor e que contém alta concentração de vitaminas do Complexo B — é o primeiro energético Carbonatado criado no mundo.

De acordo com um dos sócios da Mac Trade, Gilmar Santana, a marca recebeu um investimento de, aproximadamente, um milhão e duzentos mil reais em sua implementação no Brasil, e destacou que a chegada do energético ao país se deu pelo grande consumo entre os brasileiros e a relação com nosso clima que é tropical.

A bebida já está sendo veiculada e vendida nos estados do Rio de Janeiro e Goiás; tal como na cidade de Natal, localizada no Rio Grande do Norte. Com um foco inicial em hotéis, já com conversas avançadas com os maiores do país, as lojas de conveniência AmPm, dos postos de combustíveis Ipiranga, já tem o produto com disponibilidade para a venda, informa o sócio.

Santana considera que a empresa está totalmente preparada para os desafios provenientes da pandemia que o segmento de bebidas vem enfrentando, como a alta do dólar e o recebimento de mercadoria.

Mercado energético no Brasil

O mercado de bebidas energéticas no Brasil acumulou entre os anos de 2012 e 2017, crescimento em faturamento no varejo e volume de, respectivamente, 38,3% e 3,1%. O nosso país, maior da América Latina, tem aproximadamente 57% de Market Share e também se encontra como um dos maiores e mais importantes mercados de bebidas energéticas mundial.

No ano de 2018, a produção de energéticos em nosso país foi de 111.435 litros com variação anual de 12,7%. Já o consumo per capita do mercado brasileiro no mesmo ano foi de 0,53 litros por habitante com variação anual de 12,7%, segundo a ABIR (Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas).