Psiquiatra ressalta a importância de cuidar da mente, principalmente em meio à pandemia

Não é novidade que a Covid-19 mudou a rotina da população mundial. Mas a nova doença, além de afetar aspectos biológicos e sociais, também mexeu com a saúde psíquica da sociedade. Celebrado neste sábado, 10 de outubro, o Dia Internacional da Saúde Mental ressalta a importância do debate cuidado com a mente, principalmente em tempos de pandemia.

Os últimos meses intensificaram os transtornos, ocasionando pico de ansiedade, depressão, pânico e insônia. Reflexo disso é o aumento na venda de ansiolíticos, como Rivotril (ou Clonazepam). De acordo com o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), em março e abril deste ano, a comercialização do medicamento aumentou 22% comparado com 2019.

Na avaliação do psiquiatra Alisson Marques, mesmo com a chegada da vacina e estabilização dos quadros graves da doença no Brasil, estima-se que muitos enfrentarão uma pandemia de saúde mental. “Historicamente, os aumentos nas taxas de doenças mentais graves geralmente ocorreram após as crises nacionais. Uma resposta natural de sentimentos de ansiedade episódica, medo e desânimo podem ser esperados de maneira situacionais nesse contexto, sem que se configurarem doença. Entretanto com o processo arrastado da pandemia tem-se gerado impactos adoecedores”, explica o especialista.

E, segundo o médico, uma das causas do aumento das doenças mentais é o distanciamento social para o controle da disseminação do vírus. “O ser humano é um ser de relações e privá-los dessa vivência tem potencial desestruturante no que o constitui. A ansiedade possui como pano de fundo o medo e insegurança. A situação vivida na atual conjuntura é lidar com o desconhecido, imprevisível e incerto”, afirma Alisson.

O especialista ainda alerta sobre os cuidados com a saúde mental, inclusive para aqueles que tinham algum transtorno. “As alterações emocionais causadas pela pandemia pode tornar os indivíduos em adoecimento mais vulneráveis ao comportamento suicida. Diversas pessoas que já estavam em processo de recuperação de episódios depressivos, tiveram regressão no tratamento”, avalia o médico.

Fique de olho! Mesmo que não tenha como controlar o surgimento dos transtornos mentais, Alisson indica alguns comportamentos para prevenção:

Faça exercícios físicos – Separe pelo menos 1h do seu dia para se exercitar e liberar endorfina. Você vai ser mais produtivo e vai se sentir muito melhor em todos os aspectos.

Autocuidado – Reserve um tempo para você se cuidar e refletir. O autocuidado melhora, de forma significativa, a saúde mental.

Mantenha uma rotina – Estabeleça seus horários, não trabalhe demais nem de menos.

Não deixe de buscar contato com seu círculo social – Em momentos como esses, é uma excelente alternativa para estarmos conectados com as pessoas que amamos.