Prefeitura de Águas Lindas contra a Aedes no Goiás

A Secretaria Municipal de Saúde por meio da Coordenação de Endemias realizou na última semana mais uma ação de mobilização do programa Goiás Contra o Aedes no município de Águas Lindas de Goiás. A mobilização foi realizada nos bairros Jardim Brasília e Jardins Barragem I e II, onde os Agentes de Combate a Endemias fizeram visitas domiciliares, para verificar possíveis pontos de proliferação do mosquito e apresentando informações aos moradores sobre como eliminar criadouros.

O secretário de Saúde, Eduardo Rangel, informou que foram direcionados para a mobilização 45 Agentes de Combate as Endemias (ACE), 13 servidores da Superintendência de Vigilância em Saúde e 09 da Superintendência de Vigilância em Saúde em campo, 04 veículos da Secretaria Municipal de Saúde, 04 vans da SUVISA e um 01 Micro-ônibus da Polícia Militar. “Devido a junção de esforços e uma força de trabalho muito grande dos agentes de endemias temos conseguido manter o nível de infestação do mosquito transmissor baixo. Mas nossos esforços não atingirão um grande resultado se a nossa população não perceber que devem fazer sua parte eliminando qualquer tipo de local para procriação do mosquito”, falou o secretário.

O coordenador da Vigilância Epidemiológica, Lourisvan Santiago, divulgou o resultado da operação, veja a seguir: Total de imóveis visitados 4.285, Total de Imóveis trabalhados 3.908; Total de Imóveis fechados 377; Total de Imóveis com foco 11; Total de imóveis Recusados 00; Total de Imóveis Recuperados: 00.

“O Aedes aegytpi coloca seus ovos em água limpa, mas não necessariamente potável”, explica o coordenador de Endemias, Lourisvan Santiago. “Por isso, jogue fora pneus velhos, vire garrafas com a boca para baixo, caso seu quintal seja propenso à formação de poças. Ainda que você tenha guardado esses objetos limpos e secos, é importante deixá-los em lugares cobertos e nas condições descritas. Deixar depósitos no seu quintal pode fazer com que, em dias de chuva, a água se acumule nesses locais e o mosquito comece a se proliferar.”, concluiu Lourisvan.

Da assessoria

Copyright© 2018 | Gazeta Brasília - Jornal Online de Brasília | contato@GazetaBrasilia.com.br